Em extensa reportagem, o Wall Street Journal destacou, a partir do título, que a “Pressão dos EUA para saída de Maduro da Venezuela marca o primeiro tiro em plano para remodelar a América Latina”. Na chamada de primeira página, “é o primeiro tiro numa batalha mais ampla”.

Ou ainda, “marca a abertura de uma nova estratégia para exercer influência sobre a América Latina, segundo autoridades dos EUA”.

O apoio dos presidentes de Colômbia e Brasil é citado no 31º parágrafo. O WSJ diz que “um plano de ação” foi discutido com o colombiano, mas não com o brasileiro.

Na manchete digital da Foreign Affairs, principal revista de política externa dos EUA, “Como a América do Sul cedeu o campo na Venezuela”. Logo abaixo, no segundo enunciado, “Potências externas vão decidir o resultado”.

Assinado por Oliver Stuenkel, especialista alemão em política externa, professor da FGV no Brasil, o texto afirma que “a América do Sul não desempenha mais nenhum papel significativo na crise” e “os únicos atores externos que importam são os EUA e a China e, em menor medida, Cuba e Rússia”.

A situação representa “uma reviravolta humilhante para os governos sul-americanos”, Brasil em particular. Mais importante, a América do Sul voltou a ser “o playground das potências estrangeiras”.

TARDE DEMAIS

Na home do britânico The Guardian, “Permissão para Lula atender ao funeral do irmão veio tarde demais”. No francês Le Figaro, “Lula não vai ao funeral do irmão”.

Hoje alinhado à nova esquerda da França, o L’Humanité abriu uma foto do ex-presidente brasileiro na primeira página, com a manchete “O Nobel da Paz para Lula!”.

‘INTO THE VALLEY OF DEATH’

Com a ilustração acima e o título “No Vale da Morte”, a Economist escreve que, “sob Fabio Schvartsman, a Vale ofereceu dividendos generosos e recompras [buy-backs] aos investidores, ajudando a dobrar o preço de suas ações desde que assumiu controle”. E que “brasileiros furiosos afirmam que parte do dinheiro deveria ter sido gasto em segurança”.

Mas trata-se do “capitalismo de compadrio” [crony-capitalism] do Brasil, então não deve acontecer nada, de novo: “Não faltam incentivos para Jair Bolsonaro, pró-negócios, ser indulgente”.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here