Chinelos de dedo são item indispensável no armário de muitos brasileiros, ainda mais daqueles que vivem no litoral. O calçado, apesar de sua aparência inofensiva, pode trazer riscos principalmente aos praticantes de corrida.

“O chinelo de dedo é pior porque não está preso ao pé, mas ao dedo. Para manter o chinelo no pé, a pessoa precisa agarrar os chinelos com os dedos da frente, causando ainda mais uma força de tensão na parte da frente do pé”, afirma o especialista em pé e tornozelo, Thiago Bittencourt.

Para os corredores, o médico destaca a sobrecarga gerada pelo uso desse tipo de calçado. “A pessoa já tem uma atividade física que sobrecarrega as articulações, a própria perna, a musculatura e o calcanhar. Se fora da atividade continuar sobrecarregando, vai sobrar menos força na hora da corrida.”

Segundo Bittencourt, não é o caso de ficar alarmado e achar que o fato de usar chinelos de dedo será sinônimo de lesão. “Cada pessoa tem um pé diferente. Algumas não vão ter problema mesmo se correr descalço, de chinelo ou de meia.”

Mas o médico afirma que é frequente ver pacientes com calosidades, fascite plantar —inflamação da fáscia, estrutura que cobre o pé pela parte de baixo, antigamente conhecida como esporão—, canelite e até mesmo tendinite.

Essas lesões são causadas pela instabilidade do chinelo. “[De chinelo] Precisamos usar mais as musculaturas auxiliares, que são os extensores e os flexores dos dedos, os fibulares e a tibial posterior, que ficam na parte de dentro da perna”, explica Bittencourt.

Esse conjunto faz o movimento fino de rotação do pé e é usado para ajustar a pisada quando em terreno irregular ou inclinado. “Quando usamos um calçado instável, que não fica preso ao pé, acabamos forçando essa musculatura e os tendões também.”

A parte mais frágil da fáscia fica justamente no início do calcanhar e é onde se concentra a absorção do impacto na hora da pisada.

BANIR OS CHINELOS?

O médico pondera que não é o caso tornar o calçado item proibido nos armários dos corredores. “Pode-se usar chinelos de dedo, mas se a pessoa está no período de lazer e sabe que vai andar bastante ou em terreno irregular, recomendamos calçados que fiquem mais presos ao pé, como papete mesmo.”

Chinelos que mantêm o pé mais preso ao solado são mais adequados para evitar lesões (Antônio Gaudério/Folhapress)
Chinelo com tira larga é alternativa, pois mantém o pé mais preso ao solado (Antônio Gaudério/Folhapress)

Se papete não é muito o seu estilo, Bittencourt aconselha o uso de calçados em que haja uma tira de calcanhar ou que a tira da frente seja larga e cubra boa parte do peito do pé, como nas fotos acima e abaixo.

Chinelos que mantêm o pé mais preso ao solado são mais adequados para evitar lesões (Marcelo Barabani/Folhapress)
Outro modelo são os popularizados pela marca alemã Birkenstock, por possuírem solado mais grosso e anatômico, além de tiras que que mantêm o pé junto ao solado (Marcelo Barabani/Folhapress)

Ele destaca que o importante é o calçado ficar o tempo todo em contato com pé. “O segredo [desse tipo de sandália] é que a parte da frente é bem larga e vai até a base do calcanhar.”



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here