O cortejo fúnebre, na última terça-feira (16), era para acompanhar o enterro de uma bebê de 11 meses. Mas, quando o micro-ônibus parou no cemitério municipal Nossa Senhora Aparecida, os cerca de 30 waraos, indígenas de nacionalidade venezuelana, se dividiram em dois grupos.

Sob o sol amazônico do começo da tarde, alguns correram até o túmulo de uma mulher que morrera de tuberculose no início do ano, quando estava acampada sob uma lona ao lado da rodoviária de Manaus. O segundo grupo prestou homenagem a outra mulher, que chegou doente da Venezuela alguns meses atrás e morreu logo em seguida.

Em meio à dispersão, apenas alguns chegaram a tempo para acompanhar o enterro da criança, cuja causa da morte foi descrita tomo “infecção generalizada”. Enquanto uma mulher warao entoava uma lamúria, um coveiro municipal enterrava o caixão fechado. Ao final, um dos indígenas presentes fincou uma cruz improvisada com dois gravetos e fita adesiva.

A morte tem sido uma rotina entre os waraos que vieram para o Brasil fugindo da crise venezuelana. Desde 2016, quando o primeiro grupo chegou, houve ao menos 19 óbitos no país, segundo levantamento da Folha a partir de números oficiais, de voluntários e dos próprios waraos. 

Somente no superlotado abrigo municipal do bairro Alfredo Nascimento, na periferia de Manaus, foram quatro casos neste ano, incluindo a criança morta na segunda-feira (15). 

À reportagem da Folha os waraos foram unânimes em afirmar que o principal problema do abrigo é a pouca comida. Falando sob a condição de anonimato por medo de represália, eles dizem que a distribuição é insuficiente, principalmente proteína. Em média, afirmam, cada família recebe metade de um frango a cada dez dias.

“Estamos desesperados”, diz uma liderança. 

Outro problema é a falta de água, que não chega em três dos cinco blocos do abrigo. Já a luz em dois blocos só funciona graças a um “gato”  — a eletricidade está cortada.

“Todo santo dia, eles vêm pedir água”, diz a comerciante Delma Mendonça, 43, que tem um mercado na frente do abrigo. “Eles formam fila aqui para encher os baldes.”

Os waraos afirmaram que, para conseguir comprar a comida que falta, as mulheres têm de sair às ruas para pedir esmola, muitas vezes acompanhadas de crianças.

“Não ocorre falta de comida. O que ocorre foi uma redução em virtude do término do recurso do governo federal”, afirma Mirella Lauschner, diretora de Proteção Social da prefeitura de Manaus. “Foi encaminhado ao governo federal de que não havia mais esse recurso para alimentação.”

Ela afirma que, dos R$ 7 milhões solicitados neste ano ao Ministério da Cidadania para acolher os venezuelanos, o governo federal disponibilizou somente R$ 960 mil.

Sobre a água e a luz, a prefeitura diz que há água suficiente em dois blocos, suficientes para abastecer todos, e que a conta de eletricidade já está resolvida e logo haverá religação.

Procurado, o ministério afirmou que o repasse de mais recursos depende do envio de um plano de atendimento por parte da prefeitura e que, desde julho de 2017 até o momento, já foram destinados R$ 3,1 milhões para o atendimento de 900 imigrantes venezuelanos em Manaus.

De Manaus, muitos waraos vêm tentando a sorte em Belém, mas na capital paraense também conta com abrigos precários. É a cidade com mais número de mortos — oito casos nos últimos dois anos, dos quais seis bebês. Atualmente, há cerca de 315 indígenas venezuelanos na cidade. 

“Em Belém, não há abrigamento. Eles pegam espaços, amontoam os venezuelanos e chamam de abrigos”, afirma o servidor público Thyago Rezende, 40, que atua como voluntário, sobre os locais disponibilizados pela prefeitura e pelo governo estadual.

Nos últimos meses, ele estão indo mais longe e tentando a sorte nas capitais do Nordeste. Dezenas deixaram Belém rumo a Teresina e a São Luís, onde uma criança morreu. 

“Já são mais de dois anos e os governos ainda não conseguem oferecer um atendimento adequado a essa população e isso não se limita exclusivamente à questão orçamentária, mas também à falta de interesse político”, diz a antropóloga Marlise Rosa, da UFRJ, que escreve um doutorado sobre a etnia. 

“Essa mobilidade se explica pela nossa dificuldade em oferecermos um atendimento adequado, que respeite as especificidades culturais do grupo, e pela não satisfação de suas necessidades básicas.”



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here