Na missão do Brasil junto à ONU, em Nova York, diplomatas receberam com preocupação beirando o pânico a virtual nomeação de Eduardo Bolsonaro como embaixador em Washington. 

A avaliação é que, devido à sua força política, Eduardo deverá teleguiar as decisões relativas às Nações Unidas.

Historicamente, as representações em Washington e Nova York operam com autonomia e até certa rivalidade.

Um temo utilizado em conversas internas nesta quinta (11) após a divulgação da possibilidade é que o filho do presidente será um “bedel” dos diplomatas brasileiros em Nova York, especialmente em assuntos como direitos humanos, questões de gênero, desigualdade e temas indígenas. 

Outra expressão utilizada, segundo a Folha apurou, é de que a diplomacia brasileira em Washington funcionará como uma “subdivisão do Departamento de Estado”, em razão da proximidade de Eduardo Bolsonaro com o governo Donald Trump.

Há ainda preocupação pelo fato de o futuro embaixador do Brasil junto à ONU, Ronaldo Costa Filho, cuja indicação ainda está parada no Senado aguardando confirmação, ser um quadro de perfil mais técnico.

Ou seja, com pouca força política para fazer um contraponto ao filho do presidente.

No Itamaraty, as reações à indicação de Eduardo variaram da descrença à chacota. Um embaixador experiente afirmou que a imagem externa de um Brasil submisso às vontades dos EUA de Donald Trump será intensificada, embora isso não pareça incomodar os bolsonaristas. 

Os diplomatas apostavam no nome de Nestor Forster, que havia sido promovido para cargo elegível ao posto de embaixador no mês passado.

O diplomata foi o responsável por apresentar o chanceler Ernesto Araújo a Olavo. Mas é também visto como um diplomata eficiente e bem informado.

Como afirmou outro embaixador da velha guarda, ele ao menos seria “alguém da casa”. Eduardo é um americanófilo declarado, com diversas postagens em redes sociais louvando Trump e os EUA em geral.

O presidente americano já deu demonstrações públicas de apreço por ele, como na visita de Bolsonaro em março passado. Além disso, sua ligação com conservadores que estiveram por trás da eleição do republicano é notória.

Para os dois diplomatas ouvidos, só isso já o desqualificaria para o cargo, já que o embaixador tem de ter abertura e boas relações com todos os atores do espectro político do país em que vai trabalhar.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here