A China fez uma exibição de seu poder militar nesta quinta-feira (15) em Shenzhen, cidade próxima da fronteira com Hong Kong, em meio à escalada da crise pelas manifestações contra o governo na região semiautônoma.

Centenas de agentes da PAP (Polícia Armada do Povo) realizaram exercícios em um estádio em Shenzhen. Do lado de fora, ficaram estacionados dezenas de caminhões e blindados.

Após dois meses de protestos em Hong Kong a favor da democracia, Pequim deu a entender nos últimos dias que poderá empregar a força para restabelecer a ordem na ex-colônia britânica. Há previsão de novos protestos no fim de semana. 

O embaixador chinês em Londres, Liu Xiaoming, afirmou que “se a situação continuar piorando, e os distúrbios se tornarem incontroláveis para o governo de Hong Kong, o governo central não ficará de braços cruzados”.

O diplomata alertou que Pequim tem “recursos e poder suficientes para reprimir os distúrbios rapidamente”.

“Insisto em que Hong Kong faz parte da China. Nenhum país estrangeiro deve interferir (…) Pedimos às potências estrangeiras que respeitem a soberania chinesa”, completou o embaixador.

Trump sugere conversa presencial

O presidente americano, Donald Trump, afirmou nesta quinta que uma reunião entre o líder chinês, Xi Jinping, e ativistas pró-democracia em Hong Kong poderia levar a um final feliz para a situação após meses de protestos. 

“Se o presidente Xi se reunisse diretamente e pessoalmente com os manifestantes, haveria um final feliz e promissor para o problema de Hong Kong. Não tenho dúvidas!”, tuitou Trump.

Já o assessor de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, advertiu a China para não criar uma “nova Tiananmen”, em alusão à violenta repressão de manifestantes em uma praça de Pequim há 30 anos.

“Os chineses têm que olhar com muito cuidado os passos que tomam porque as pessoas nos Estados Unidos lembram da Praça Tiananmen, lembram da imagem do homem parado em frente à fila de tanques”, disse Bolton em entrevista à VOA News. 

Trump pareceu vincular um eventual acordo comercial com Pequim a uma resolução “humana” do conflito em Hong Kong. “Milhões de empregos estão sendo perdidos na China para países sem tarifas. Milhares de empresas estão indo embora. Com certeza, a China quer alcançar um acordo. Deixem que trabalhem humanamente com Hong Kong primeiro!”, escreveu o presidente no Twitter.

Nos Estados Unidos, as críticas aumentam contra Trump por sua aparente indulgência a respeito de Pequim, com quem Washington está envolvido em importantes e árduas negociações comerciais.

Na quarta-feira, um porta-voz do Departamento de Estado citou a preocupação com a “erosão contínua” da autonomia de Hong Kong e manifestou apoio firme aos direitos de liberdade de expressão e de reunião pacífica na ex-colônia britânica.

Escalada de violência

Na terça-feira, os manifestantes agrediram dois cidadãos da China continental durante o grande protesto no aeroporto da cidade, que suspendeu os voos na segunda (12) e terça-feira (13). Os ativistas pediram desculpas pelos excessos. 

“Condenamos com veemência atos de categoria terrorista”, afirmou em um comunicado o porta-voz do Escritório de Assuntos de Hong Kong e Macau do governo chinês, Xu Luying.

Com as acusações, Pequim assimilou as ações dos manifestantes pró-democracia ao “terrorismo” pela segunda vez durante a semana. O tom mais duro provoca o temor de uma repressão militar para sufocar o movimento iniciado há dez semanas.

​A atual crise representa o maior desafio à autoridade da China sobre Hong Kong desde sua devolução pelo Reino Unido em 1997.

As manifestações, que levaram milhões de pessoas às ruas, começaram com a oposição a um projeto de lei que permitiria extradições à China. O movimento se ampliou, porém, com uma pauta de defesa das liberdades democráticas e contra a influência de Pequim no território.

Depois de expressar suas exigências de forma pacífica em um primeiro momento, na terça-feira, os ativistas adotaram técnicas mais agressivas, com barricadas organizadas com os carrinhos de bagagem para bloquear os passageiros na área de desembarque do aeroporto.

Durante a noite, a situação resultou em confrontos violentos com a polícia e brigas com passageiros desesperados para embarcar em seus voos.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here